R.M. Ed 138 ONLINE Todas edições-apresentação-demo RM - Facebook Assine Magnum Edição 143 R.M. Ed 139 ONLINE

É com prazer que apresentamos a revista MAGNUM!

MAGNUM é uma Revista dedicada ao universo das Armas de Fogo. Aborda Colecionismo, Tiro Esportivo, Munições, Recarga, Balística e Legislação pertinente ao assunto. Além de abordar Arqueiria, Caça, Cutelaria, promover entrevistas com pessoas ligadas a cada um desses setores e cobrir lançamentos de novos produtos - no Brasil e no mundo -, buscando estimular seus Leitores ao trânsito saudável, consciente e responsável através desses temas.

Confira abaixo 5 Edições Completas para Assinantes MAGNUM

Edição 66 - Ano 11 - Setembro/Outubro 1999

blog post image

Editorial

Não devemos esmorecer!

A comunidade brasileiras dos apreciadores de armas de fogo deu, por conta do ameaçador projeto antiarmas que tramita no congresso nacional excelente demonstração de união e força. Por todo o país formaram-se grupos de pessoas que trabalharam (e ainda trabalham) arduamente para preservação de uma das mais básicas liberdades individuais de um povo: o direito a defesa.

Felizmente, graças a esse trabalho todo considerável parcela da população brasileira que não estava desperta para o problema em si sensibilizou-se e tomou partido a favor daqueles que apreciam as armas e que querem tê-las, desde que devidamente regularizadas.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 140

blog post image

Editorial

Como de costume

Estou na rua, pergunto se ela quer que leve algo para casa. Ela está fora de casa, me pergunta se quero algo da rua. É hábito que temos, há tempos, desde que partimos para dividir companhia e contas sob o mesmo teto, há mais de dez carnavais.

Ora é limão, ora leite, ora é água com gás. Uma revista, papel-toalha, pó de café, ou cerveja...  ora um vinho de mesa. Varia o troço. Varia bastante. Mas ninguém atrapalha ninguém -- claro que não (!) -- pedindo algo ou alguma coisa que esteja fora do trajeto.

Na sexta-feira passada -- dia cinco de junho deste dois mil e vinte --, ela perguntou se eu queria algo do shopping Colinas. Contou que, voltando de reunião em Jacareí, passaria por lá, atrás da troca de um “sei-lá-o quê de vestir”, indo depois para casa, de onde seguiríamos até Gonçalves, na Mantiqueira geralista. Eu, que detesto shoppings e vinha enrolando (e enrolando e enrolando e enrolando...) para ir conhecer as instalações da nova unidade da Arsenal Guns & Ammo -- loja do meu amigo Chico Pinto -- enxerguei ali a subitânea e conveniente oportunidade de ajudar a loja, sem pisar o piso com as botas, fazendo da cara-metade a procuradora em uma primeira comprinha.

Nesse shopping joseense, a Arsenal fica no piso superior, bem perto dos caixas eletrônicos, vis-à-vis à tal da loja onde ela iria fazer a troca do “sei-lá-o-quê de vestir”. Não seria quase trabalho nenhum...  e a compra era pouca.

Pedi que trouxesse um tijolo de .22 LR, metade high-speed, metade comum, para fazer latinha voar. Uma calibre 20, Boito Reuna, e duas caixas de cartucho qualquer, slug, pra deixar com o caseiro. Também duas caixas de .44 Boar -- a versão .44 WCF +P+, que a CBC lançou, inda agorinha, comemorando o primeiro aniversário do novo governo. A javalizada, em Gonçalves, infelizmente está fervendo (...).

Fosse em outra fase, fosse nos governos passados, compra assim seria coisa cara, burocraticamente inviável e nunca, mas NUNCA poderia ser delegada a um portador, mesmo que à esposa. Como -- graças a Deus (!) -- os tempos são outros, entre o estacionamento de chegada, as lojas, a troca, a compra, pacotes e saída, Diana não perdeu mais do que trinta ou trinta e cinco minutos.

Ela fez a compra no meu CPF, que é atrelado ao dela, e que automaticamente comunica as agências de controle. Pagou os R$ 665,ºº totais com o nosso cartão da Cooperativa de Crédito do CAC e, com a ajuda de um aprendiz de balcão da Arsenal, molecão de uns dezesseis, Diana levou os pacotes de espingarda e munição até o porta-malas, estendendo gorjeta, e saindo ao estacionamento do Colinas com a exata mesma tranquilidade de quem sai das compras da quitanda, do açougue, ou da adega. Como sempre. Como SEMPRE deveria ter sido.

(nota: escrito pelo Caio Bava, o texto aqui é ficcional e conta de um futuro próximo [...] e desejado.)

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 32 - Ano 5 - Novembro/Dezembro 1993

blog post image

Editorial

Visões imbecis

As frases a seguir foram escritas em jornais e revistas, etc, proferidas em programas de rádio e televisão, repetidas por autoridades militares e policiais, por políticos idiotas, por jornalistas sensacionalistas, padres falsamente piedosos, defensores de direitos humanos dos bandidos, etc, enfim todos os imbecis que crêem gostar de armas de fogo seja indicador de personalidade violenta.

Talvez sua impressão numa revista de armas soe – a esse mesmo público – de maneira a indicar o quão ridículo elas são...

Temos que proibir...
É um absurdo!
Todos armados agora?
As bases devem ser consultadas...
Veja bem...por outro lado...
Ah sim! Devem ser proibidas!
Ah necessidade de uma ampla discussão...
O povo não está preparado!
Isso é coisa de bandido!
Que se proíbam todas!
Proibimos todas, depois vamos analisar caso por caso...
“Porte de arma indeferido”
Estamos estudando o assunto...
Isso é coisa de polícia!
Liberar? Quanto levo nisso?

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 119 - Agosto/Setembro 2013

blog post image

Editorial

O DESCARTE!

Como as autoridades constituídas encaram este sinistro jogo de cartas.

Em tempos nos quais o Governo Federal - em vista das manifestações públicas que ocorreram (e ainda ocorrem) em todo território nacional - sugere a instalação de um Referendo para aprovação ou não de uma reforma política (ou Plebiscito, pelo qual mais pugnam por razões incompreensíveis à maior parte dos mortais), perguntamos a nós mesmos sobre a serventia de tal ato que, a nossos olhos, nada mais é do que uma grande tentativa de colocar entre nós e o astro-rei uma enorme peneira já que, “lá em cima”, sabe-se MUITO BEM onde estão os erros; e O QUE a população deseja para nosso sofrido País!

Devido ao exposto, sempre é bom lembrar que no ano de 2005 foi realizado um Referendo - e o assunto a consultar junto ao Povo era referente à possível continuidade da venda legal de Armas de Fogo e Munição no Brasil. E, para quem não se lembra do resultado, os votantes pelo SIM (56.951.853!) perfizeram um total de 64%! Comparativamente, na eleição de 2002, Lula recebeu, em cifra redonda, 53.000.000 votos, ou seja, 61% - numero menor do que o alcançado no malfadado Referendo!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 112 - Ano 18 - Julho/Agosto 2011

blog post image

Editorial

REESTRÉIA DE UM “FILME” QUE TODOS JÁ VIMOS!

Assim como na propaganda de um prepara do para bebida láctea bem conhecido, “há mil maneiras de se fazer um Editoria l como este ” - mas resolvemos começar pelo INCRÍVEL desrespeito à opinião popular, ou seja, simplesmente sugerir que se faça um novo referendo (ou plebiscito) quanto à questão das Armas de Fogo!

Dentro de tal linha de pensamento, pode-se intuir que, daqui para frente, sempre que um resultado obtido nas urnas não agradar o governo, far-se-á outro e pronto! Humm... isso não só “cheira” a malévola intervenção mas também é, escancaradamente, uma maneira de se rasgar a Constituição Federal: desrespeitada, desta vez, a vontade do Povo, o que impede quaisquer governantes de repetir a dose sempre que lhes for conveniente?

Assim, já extrapolamos a questão das armas e passamos para uma atitude de imposição que passa bem longe do conceito de Democracia...

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line