Edições Revista MAGNUM

Ainda não é assinante?
Acesse agora todas as Edições.

Assine
lock and key

Entre com seus dados

Account Login

Esqueceu sua senha?


Demostração


Revista Magnum Edição 128

blog post image

Editorial

VARIEDADE E PROFUNDIDADE

Caro Leitor, Convidamos Você a saber, de antemão, quais os prazeres que o esperam na leitura de mais esta edição de MAGNUM. Assim, prepare-se para mergulhar não somente nos interessantes Testes que aqui estão (Pistola Sig Sauer P220 Target 5, realizado nos EUA, e Fuzil Remington 700 no calibre .458 Win Magnum), mas também mais uma matéria de cunho internacional: a referente ao SHOT Show 2016, o qual dispensa maiores definições e, desta feita, nos é trazido pelas mãos de um novo Colaborador; e que teve lugar na cidade de Las Vegas (Nevada, EUA). Obviamente Você poderá acompanhar a grande representatividade da Indústria Brasileira na citada Mostra.

Além delas, Você poderá se deliciar com dois artigos históricos (sob a Vinheta Munições, Protocolo do FBI; e na de História, Personagens e Armas, a saga de John Wesley Hardin, considerado um dos mais famosos bandidos do Oeste estadunidense). E, como Apresentação, uma rara arma, a Winchester Winder Musket - em calibre .22 e “single shot” – orientada para Treinamento Militar.

Como se não bastasse, também enfocamos as Gravações Ornamentais em Armas de Fogo (através da Vinheta Orientação), controvertida Arte que tende a agradar muitos Cultores de nosso imenso universo composto por Armamento enquanto que, para outros, é considerada como algo que apenas serve como elemento diferenciador, em nada agregando ao desempenho de uma determinada peça além de beleza - característica a qual, para alguns, pode ser considerada como um “must”.

Em Legislação, contamos com a colaboração do Dr. Daniel Fazzolari, sempre “antenado” quanto às minúcias que envolvem as Leis referentes a Armamento e itens correlatos.

Desse modo, é notável a variedade de assuntos aqui tratados; e com a devida profundidade que sempre foi a tônica desta Publicação, ou seja: buscando atingir os mais diversos tipos de áreas e buscando trazer a Você, Leitor, o que há de mais moderno - mas sem dispensar o tradicionalismo que, por vezes, permeia nossos pensamentos em função da curiosidade embutida em certos temas considerados como de interesse geral.

E, já dando uma prévia do que ocorrerá com a próxima edição, informamos que será mantida nossa diferenciada cobertura de Eventos internacionais “de peso”, trazendo às nossas páginas um completo e exclusivo relato (o qual já se encontra em fase de elaboração) de como transcorreu a Edição 2016 da IWA (International Waffen Ausstellung), desde a cidade de Nürnberg, Alemanha - de longe a mais importante Mostra europeia do Segmento de Armas, Munições, Acessórios e Esportes Outdoors, imperdível e que, neste ano, cresceu ainda mais com relação às anteriores.

Para encerrar, como sempre só nos resta desejar a nossos Leitores uma boa leitura e o agradecimento por fazer desta Revista - agora com praticamente 30 anos de existência - o que hoje em dia ela representa, tanto para nossos seguidores no Brasil quanto para aqueles que vivem em outros países, mas que - mesmo assim - não dispensam nossa companhia!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 127

blog post image

Editorial

ARMAS TERRORISMO E LÁGRIMAS!

Fechamos 2015 com a aprovação, em Comissão Especial, do Projeto de Lei 3722, do Deputado catarinense Rogério Peninha. O texto aprovado, do deputado Laudivio Carvalho, difere bastante do texto original e não agradou a todos, mas seja como for é um enorme avanço na retomada de um direito que vem nos sendo retirado gradualmente há décadas.

O tramitar de qualquer projeto de lei no Brasil é de uma complexidade e morosidade acachapantes: o próprio Estatuto do Desarmamento, com pleno empenho de todo o governo, dos presidentes da Câmara e do Senado, vigência do chamado Mensalão e apoio de praticamente toda a imprensa, levou 5 anos para ser aprovado. Neste semestre ainda poderemos ver o nosso PL indo para votação em plenário da Câmara; e lá se travará mais uma batalha.

O fracasso do desarmamento na contenção ou diminuição dos crimes violentos deixa cada dia mais clara a necessidade urgente de mudanças na lei atual - e muitas pessoas até então isentas estão levantando essa bandeira, algo que tem causado grande preocupação aos defensores das restrições. No mundo a posição dos desarmamentistas também não é nem um pouco confortável: com os ataques terroristas em Paris, Copenhague, Hotel Radisson em Bamako, Universidade de Garissa, jornal satírico Charlie Hebdo e outros, ficou claro que leis restritivas, por mais fortes que sejam, não são capazes de impedir que terroristas tenham acesso às Armas de Fogo.

O Secretário-Geral da Interpol, Ronald Kenneth Noble, disse à ABC News que uma das únicas maneiras de impedir os terroristas de atingir alvos desarmados (“soft targets”, em inglês) seria permitir que cidadãos portassem Armas de Fogo em locais públicos e que as chamadas “Gun-Free Zones” deixassem de existir. Vejam bem, que disse isso não foi um diretor da NRA, do MVB ou de qualquer entidade pró-defesa. Quem disse isso foi o diretor geral de uma das mais conceituadas entidades policiais do mundo; e isso não é para ser desprezado.

Se no Brasil e no mundo o ano de 2015 não foi nem um pouco positivo para os adeptos do monopólio da força nas mãos do Estado, 2016 promete ser ainda pior. No último dia 5 de janeiro, Obama foi às lágrimas ao anunciar suas medidas executivas (que independem do Congresso) para limitar e restringir a posse de armas em solo norte-americano. Se as lágrimas soaram falsas, suas medidas foram piores ainda: mostraram aos Republicanos e a muitos Democratas favoráveis ao armamento que Obama não pensaria duas vezes em rasgar a Constituição se poder tivesse para isso. Para o antiarmas, restou a sensação de que tudo aqui era uma enorme farsa. E era mesmo! As medidas ou já estavam em uso ou foram abandonadas no passado por não apresentar nenhum resultado real. Um enorme tiro no pé.

No Congresso, os dois partidos foram responsáveis e rechaçaram todas as investidas de Obama. O motivo é muito simples: nunca as taxas de crimes violentos foram tão baixas nos EUA.

Em resumo, não tenho nenhum medo de afirmar que 2016 será um bom ano no que diz respeito à nossa liberdade. Será um ano de muita luta (não será fácil), sendo necessário que cada um se empenhe nisso, mas tenho a certeza de que teremos doze meses que refletem meus votos a todos vocês: que o Ano Novo seja repleto de boas lutas e grandes vitórias!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 126

blog post image

Editorial

Magnum cada vez mais perto de você

Neste final de ano que se aproxima, cremos ser importante informar aos nossos Leitores que, após 29 anos ininterruptos de publicações colocadas em bancas de jornal e revistarias (um recorde em termos editoriais no Brasil), nossa querida Publicação pode ser atualmente encontrada também em Lojas do Segmento de Armas, Munições e Afins; e isso facilitará sobremaneira a busca pelos exemplares de MAGNUM (veja relação de lojas no anúncio da 3ª capa).

Como se não bastasse, acabamos ainda por criar o Canal Revista Magnum exclusivo no YouTube. Nele, você poderá assistir, em breve, a vídeos alusivos a nossos Testes e, ainda, ver algumas matérias, além de outras novidades que - acreditamos - serão de seu agrado!

No Canal Revista Magnum você vai encontrar a seção Magnum Store, um espaço para divulgação de produtos, serviços, ofertas e promoções especiais (veja nota na seção Radar).

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 125

blog post image

Editorial

Fumaça de boas mudanças

E lá se vão quase 30 anos que li pela primeira vez uma edição desta Revista, mais especificamente a de número três e lá, como já escrevi antes, estava a primeira fagulha da luta contra o desarmamento e contra as restrições à liberdade de possuir e portar Armas de Fogo em um editorial onde, ficticiamente, um pai deixava para seu filho uma arma e pedia para ele segredo até mesmo aos seus entes e amigos mais próximos. O que era ficção, e por muitos foi tido como alarmismo, chegou muito perto de acontecer nas décadas seguintes. Em 1997 o porte de armas foi transformado em crime e criaram-se várias outras restrições na sequência. Em 2005, com o malfadado estatuto do desarmamento e em seu rastro ideológico mais restrições também aos Atiradores Esportivos, aos Colecionadores, aos Caçadores - e até mesmo aos Agentes de Segurança Pública e Defesa Nacional...

Em quase 30 anos associações foram criadas, publicações foram lançadas, pessoas embarcaram nessa batalha, porém vários desistiram: muitos foram abandonando a luta, desmotivados e cansados, ninguém pode culpá-los. Fico realmente feliz ao - neste exato momento - perceber que estou escrevendo o editorial para uma Revista que lá estava, quase três décadas atrás, e continua aqui! Não tenho dúvidas que o esforço envolvido foi sobre-humano, quase um milagre!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 124

blog post image

Editorial

Por um futuro cada vez melhor

É sempre um grande prazer assinar o editorial da Revista MAGNUM, e por ser esta a primeira edição de 2015, aproveito para comentar importantes fatos do ano de 2014.

Entre os assuntos relacionados à legislação de nosso segmento, destaco a coordenação da Aniam na divulgação e mobilização relativas ao Projeto de Lei 3722/12, que cria novas regras para o comércio e circulação de Armas de Fogo e Munições no país, objetivando transformar o “Estatuto do Desarmamento” no coerente “Estatuto do Controle”.

Mesmo sem a aprovação do relatório final pela Comissão Especial destinada a analisar este PL, o assunto foi amplamente debatido em 2014, ganhou adesão de várias entidades, além de repercussão muito positiva. A matéria foi uma das que mais movimentou os meios de interação com o cidadão que a Secretaria de Comunicação da Câmara dos Deputados promove. A enquete sobre o projeto no site Câmara Notícias foi a terceira com maior votação - mais de 200 mil votos. Pelo Disque Câmara, foram 120.310 atendimentos. Por outro canal, o Fale Conosco, houve 5.503 manifestações (98,9% a favor e 1,1% contra).

O assunto já foi retomado este ano, e novamente teremos a oportunidade de explorar o tema no Congresso e na mídia, além de promover alterações importantes e necessárias na legislação que rege o segmento. Estou certo que em 2015, ano em que completaremos os 10 anos da vitória histórica no Referendo Popular de 2005, teremos outras grandes conquistas a comemorar!

Ainda falando em legislação, não poderia deixar de citar o abate do Javali, cuja liberação representou um marco na história da Caça de nosso país, e que está em plena atividade em todo território nacional. Esta foi uma grande conquista da Sociedade Brasileira de Conservação à Fauna - SBCF, com o apoio de vários Caçadores e especialistas da área de conservação do meio ambiente.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 123

blog post image

Editorial

Erro de Foco: armas não são o problema. Lutar por elas, em si, não é solução.

Verão de 1986, eu, com 16 anos, passeio pelo Cidade Ocian, litoral de São Paulo; e ao passar por uma banca de jornais deparo com uma revista sobre armas e munições. Na capa a metralhadora de mão MT- 12, fuzis Weatherby e pistolas Taurus. Naquele momento eu adquiria a minha primeira revista MAGNUM, a número 3.

Folheio rapidamente e, poucos minutos depois, sentando calmamente à beira-mar, comecei a leitura. No editorial, uma fictícia carta de um pai que deixa às escondidas uma arma de presente para o filho e discorre da importância de manter absoluto segredo sobre a mesma, bem como o que havia ocorrido para que isso precisasse ser feito.

Pequena fagulha que anos depois causaria em mim um incêndio incontrolável em defesa da posse legítima deste objeto demonizado chamado Arma de Fogo - e não entendam isso como um auto-afago, pois Deus sabe como isso, em diversas vezes, foi muito mais uma maldição que uma bênção. Desse incêndio nasce um site chamado In-Correto e, posteriormente, o Movimento Viva Brasil - que completa este ano seu primeiro decênio; e nisso lá se vão 20 anos de luta e experiência; e com a citada experiência

vamos dia a dia clareando o entendimento.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 122

blog post image

Editorial

SOBRE FUTEBOL, ARMAS E POLÍTICA

O Governo Federal anunciou, de maneira orgulhosa, investimentos de aproximadamente 1,17 bilhão de reais em equipamentos e capacitação das Forças de Segurança para a realização da Copa do Mundo de Futebol, sediada neste ano no Brasil. Inegavelmente, a medida surtiu efeitos. Relatos de torcedores descrevem os momentos de calmaria percebidos antes, durante e depois das partidas, com parcas exceções. Em especial os estrangeiros, que não ousaram sair dos locais turísticos, ficaram impressionados com o grande número de Policiais e a total sensação de segurança.

A bonança demonstrada durante os jogos contrasta com os números letais do Mapa da Violência, estudo respeitado e apoiado pelo próprio Ministério da Justiça. O compêndio explicita, de maneira definitiva, que o Brasil é um país com números de guerra civil!

Com 1,09 milhão de homicídios entre 1980 e 2010, e média de 26,2 por 100 mil habitantes, o Brasil tem uma taxa anual de mortes violentas superior à de diversos conflitos armados internacionais, como o da Chechênia (25 mil), entre 1994 e 1996; e da guerra civil de Angola (1975-2002), com 20,3 mil mortos ao ano. Dos crimes do Brasil, apenas 8% foram solucionados e míseros 2% acabaram em punição aos assassinos. Logo mais, em 2016, teremos o maior evento esportivo do mundo ocorrendo em terras brasileiras e é de se esperar que o espetáculo da segurança pública com prazo de validade se repita, bem como o uso político do mesmo. Se há algo para se comemorar é que poderemos ver bem de pertinho nossos Atletas do Tiro, verdadeiros heróis no quesito tenacidade. Perseguidos por políticos, desprezados pela imprensa, preteridos por outros esportes e até mesmo por Organizações que deveriam por obrigação representar, defender e fomentar as atividades esportivas.

Durante a Copa, a seleção alemã massacrou a brasileira em um jogo de futebol. Massacrou, claro, não no sentido literal do vernáculo - uma vez que todos os jogadores sobreviveram e continuarão com suas vidas, quiçá levantando novamente a faixa em favor do desarmamento enquanto andam em carros blindados, são protegidos por Seguranças armados ou se beneficiando da real segurança de países onde atuam. No jogo da vida - da sua, da minha, da nossa vida real - a violência continua. A taxa de mortos chegou a 29 por 100 mil habitantes em 2012. Na Alemanha, é de 0,9. Mata-se no Brasil 32 vezes mais. O padrão de qualidade FIFA não evitou um massacre figurado em gramado e não evitará o massacre anual fora dele.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 121

blog post image

Editorial

2014: um ano de grandes expectativas!

É com grande satisfação que volto a escrever no editorial da Revista MAGNUM, em especial por ser na primeira edição de 2014. No ano da Copa do Mundo da FIFA, todos os olhares estão voltados para o campo. São os jogadores e a bola os destaques principais deste grande espetáculo. Registro aqui minha forte torcida pela seleção brasileira de futebol.

Ressalto as oportunidades que se abrem com os megaeventos no Brasil para o segmento de Segurança. O Portal da Copa, que é o site do Governo Federal Brasileiro sobre evento, tem uma seção específica onde trata do tema ‘Segurança Pública e Defesa’ e destaca o investimento de R$ 1,9 bilhão.

Em um evento de tal porte que envolve milhares de pessoas e transforma a rotina de todo nosso país, o papel das Empresas Estratégicas de Defesa e Segurança se torna ainda mais imprescindível. Neste cenário, não podemos também deixar de ressaltar a realização dos Jogos Olímpicos em 2016, que inclusive contará com a participação de nossos Atletas do Tiro Esportivo Brasileiro. Tenho certeza de que eles farão uma grande participação.

O Brasil será o primeiro país na história que receberá uma Copa do Mundo FIFA seguida da realização dos Jogos Olímpicos. Isto representa, sem dúvida, um marco na história do Esporte mundial. Falando em marco, e tratando agora sobre história da Caça no Brasil, a liberação do abate do Javali pelo IBAMA no ano passado é um fato de extrema importância para o segmento, já que abriu a possibilidade da atividade da Caça regulamentada durante o ano todo; e devidamente autorizada. Importante ressaltar que outras espécies invasoras já são objeto de estudo científico no país em função dos prejuízos que representam à biodiversidade. Um exemplo é a pesquisa, sobre a superpopulação da POMBA, que está sendo feita no Estado do Mato Grosso do Sul.

É notório que cada vez mais cresce o reconhecimento - inclusive por instituições ambientalistas - de que a Caça Esportiva regulamentada é, de forma inquestionável, a melhor forma de equilíbrio da fauna e um eficaz instrumento de conservação da natureza e de movimentação da economia. Este assunto está tão em evidência que a Revista MAGNUM fará uma Edição Especial só sobre este tema. Aguardem!

Desejo que 2014 seja realmente um ano especial, e que este momento de alegria e confraternização por meio do Esporte envolva todo o povo brasileiro.

Salesio Nuhs

Diretor Comercial e de Relações Institucionais da CBC e Presidente da ANIAM - Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 120

blog post image

Editorial

O caminho a ser seguido Muitos se apegam ao otimismo e, por acharem que está tudo ótimo ou fi cará tudo bem, acabam não agindo, imaginando ser desnecessário. Outros tantos compõem o rol dos pessimistas, que, não acreditando num futuro melhor, acabam por aceitar a derrota sem ao menos tentar a vitória. Entre eles, importa-nos os realistas. Não é novidade para ninguém que a situação conjuntural não é boa para cidadão que precisa proteger a si e a seus próximos. Porém, o mais importante não é entender onde estamos, e sim como chegamos até aqui. O que nos fez, em menos de trinta anos, empreender uma guinada tão drástica, abandonando a realidade de um país onde a posse e porte de armas eram verdadeiramente corriqueiros – quando praticamente todas as bolsas e pastas masculinas já eram confeccionadas com coldres - até chegarmos ao absurdo nível de restrições às armas em que nos encontramos hoje. Anos atrás, dediquei muito tempo para analisar essa questão e cheguei à conclusão que duas coisas nos trouxeram até aqui. A principal é que, durante quase 15 anos consecutivos, tivemos uma hegemonia nos discursos que demonizavam as armas de fogo e enalteciam o desarmamento. Nunca, absolutamente nunca, tínhamos qualquer espaço na mídia para, ao menos, contestarmos os dados que nos eram enfi ados goela abaixo. Como consequência dessa “opinião publicada”, nossos Congressistas acabaram por votar leis restritivas, tendo seu ápice no malfadado Estatuto do Desarmamento. O segundo fator a nos conduzir para a atual realidade foi a velha história de esperar alguém fazer alguma coisa. Acreditar que um dia alguém poderoso, um messias, um salvador da pátria, daria um basta nisso. Mas isso não aconteceu, tampouco acontecerá.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 119 - Agosto/Setembro 2013

blog post image

Editorial

O DESCARTE!

Como as autoridades constituídas encaram este sinistro jogo de cartas.

Em tempos nos quais o Governo Federal - em vista das manifestações públicas que ocorreram (e ainda ocorrem) em todo território nacional - sugere a instalação de um Referendo para aprovação ou não de uma reforma política (ou Plebiscito, pelo qual mais pugnam por razões incompreensíveis à maior parte dos mortais), perguntamos a nós mesmos sobre a serventia de tal ato que, a nossos olhos, nada mais é do que uma grande tentativa de colocar entre nós e o astro-rei uma enorme peneira já que, “lá em cima”, sabe-se MUITO BEM onde estão os erros; e O QUE a população deseja para nosso sofrido País!

Devido ao exposto, sempre é bom lembrar que no ano de 2005 foi realizado um Referendo - e o assunto a consultar junto ao Povo era referente à possível continuidade da venda legal de Armas de Fogo e Munição no Brasil. E, para quem não se lembra do resultado, os votantes pelo SIM (56.951.853!) perfizeram um total de 64%! Comparativamente, na eleição de 2002, Lula recebeu, em cifra redonda, 53.000.000 votos, ou seja, 61% - numero menor do que o alcançado no malfadado Referendo!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line
Anterior