Edições Revista MAGNUM

Ainda não é assinante?
Acesse agora todas as Edições.

Assine
lock and key

Entre com seus dados

Account Login

Esqueceu sua senha?


Demostração


Revista Magnum Edição 122

blog post image

Editorial

SOBRE FUTEBOL, ARMAS E POLÍTICA

O Governo Federal anunciou, de maneira orgulhosa, investimentos de aproximadamente 1,17 bilhão de reais em equipamentos e capacitação das Forças de Segurança para a realização da Copa do Mundo de Futebol, sediada neste ano no Brasil. Inegavelmente, a medida surtiu efeitos. Relatos de torcedores descrevem os momentos de calmaria percebidos antes, durante e depois das partidas, com parcas exceções. Em especial os estrangeiros, que não ousaram sair dos locais turísticos, ficaram impressionados com o grande número de Policiais e a total sensação de segurança.

A bonança demonstrada durante os jogos contrasta com os números letais do Mapa da Violência, estudo respeitado e apoiado pelo próprio Ministério da Justiça. O compêndio explicita, de maneira definitiva, que o Brasil é um país com números de guerra civil!

Com 1,09 milhão de homicídios entre 1980 e 2010, e média de 26,2 por 100 mil habitantes, o Brasil tem uma taxa anual de mortes violentas superior à de diversos conflitos armados internacionais, como o da Chechênia (25 mil), entre 1994 e 1996; e da guerra civil de Angola (1975-2002), com 20,3 mil mortos ao ano. Dos crimes do Brasil, apenas 8% foram solucionados e míseros 2% acabaram em punição aos assassinos. Logo mais, em 2016, teremos o maior evento esportivo do mundo ocorrendo em terras brasileiras e é de se esperar que o espetáculo da segurança pública com prazo de validade se repita, bem como o uso político do mesmo. Se há algo para se comemorar é que poderemos ver bem de pertinho nossos Atletas do Tiro, verdadeiros heróis no quesito tenacidade. Perseguidos por políticos, desprezados pela imprensa, preteridos por outros esportes e até mesmo por Organizações que deveriam por obrigação representar, defender e fomentar as atividades esportivas.

Durante a Copa, a seleção alemã massacrou a brasileira em um jogo de futebol. Massacrou, claro, não no sentido literal do vernáculo - uma vez que todos os jogadores sobreviveram e continuarão com suas vidas, quiçá levantando novamente a faixa em favor do desarmamento enquanto andam em carros blindados, são protegidos por Seguranças armados ou se beneficiando da real segurança de países onde atuam. No jogo da vida - da sua, da minha, da nossa vida real - a violência continua. A taxa de mortos chegou a 29 por 100 mil habitantes em 2012. Na Alemanha, é de 0,9. Mata-se no Brasil 32 vezes mais. O padrão de qualidade FIFA não evitou um massacre figurado em gramado e não evitará o massacre anual fora dele.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 121

blog post image

Editorial

2014: um ano de grandes expectativas!

É com grande satisfação que volto a escrever no editorial da Revista MAGNUM, em especial por ser na primeira edição de 2014. No ano da Copa do Mundo da FIFA, todos os olhares estão voltados para o campo. São os jogadores e a bola os destaques principais deste grande espetáculo. Registro aqui minha forte torcida pela seleção brasileira de futebol.

Ressalto as oportunidades que se abrem com os megaeventos no Brasil para o segmento de Segurança. O Portal da Copa, que é o site do Governo Federal Brasileiro sobre evento, tem uma seção específica onde trata do tema ‘Segurança Pública e Defesa’ e destaca o investimento de R$ 1,9 bilhão.

Em um evento de tal porte que envolve milhares de pessoas e transforma a rotina de todo nosso país, o papel das Empresas Estratégicas de Defesa e Segurança se torna ainda mais imprescindível. Neste cenário, não podemos também deixar de ressaltar a realização dos Jogos Olímpicos em 2016, que inclusive contará com a participação de nossos Atletas do Tiro Esportivo Brasileiro. Tenho certeza de que eles farão uma grande participação.

O Brasil será o primeiro país na história que receberá uma Copa do Mundo FIFA seguida da realização dos Jogos Olímpicos. Isto representa, sem dúvida, um marco na história do Esporte mundial. Falando em marco, e tratando agora sobre história da Caça no Brasil, a liberação do abate do Javali pelo IBAMA no ano passado é um fato de extrema importância para o segmento, já que abriu a possibilidade da atividade da Caça regulamentada durante o ano todo; e devidamente autorizada. Importante ressaltar que outras espécies invasoras já são objeto de estudo científico no país em função dos prejuízos que representam à biodiversidade. Um exemplo é a pesquisa, sobre a superpopulação da POMBA, que está sendo feita no Estado do Mato Grosso do Sul.

É notório que cada vez mais cresce o reconhecimento - inclusive por instituições ambientalistas - de que a Caça Esportiva regulamentada é, de forma inquestionável, a melhor forma de equilíbrio da fauna e um eficaz instrumento de conservação da natureza e de movimentação da economia. Este assunto está tão em evidência que a Revista MAGNUM fará uma Edição Especial só sobre este tema. Aguardem!

Desejo que 2014 seja realmente um ano especial, e que este momento de alegria e confraternização por meio do Esporte envolva todo o povo brasileiro.

Salesio Nuhs

Diretor Comercial e de Relações Institucionais da CBC e Presidente da ANIAM - Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 120

blog post image

Editorial

O caminho a ser seguido Muitos se apegam ao otimismo e, por acharem que está tudo ótimo ou fi cará tudo bem, acabam não agindo, imaginando ser desnecessário. Outros tantos compõem o rol dos pessimistas, que, não acreditando num futuro melhor, acabam por aceitar a derrota sem ao menos tentar a vitória. Entre eles, importa-nos os realistas. Não é novidade para ninguém que a situação conjuntural não é boa para cidadão que precisa proteger a si e a seus próximos. Porém, o mais importante não é entender onde estamos, e sim como chegamos até aqui. O que nos fez, em menos de trinta anos, empreender uma guinada tão drástica, abandonando a realidade de um país onde a posse e porte de armas eram verdadeiramente corriqueiros – quando praticamente todas as bolsas e pastas masculinas já eram confeccionadas com coldres - até chegarmos ao absurdo nível de restrições às armas em que nos encontramos hoje. Anos atrás, dediquei muito tempo para analisar essa questão e cheguei à conclusão que duas coisas nos trouxeram até aqui. A principal é que, durante quase 15 anos consecutivos, tivemos uma hegemonia nos discursos que demonizavam as armas de fogo e enalteciam o desarmamento. Nunca, absolutamente nunca, tínhamos qualquer espaço na mídia para, ao menos, contestarmos os dados que nos eram enfi ados goela abaixo. Como consequência dessa “opinião publicada”, nossos Congressistas acabaram por votar leis restritivas, tendo seu ápice no malfadado Estatuto do Desarmamento. O segundo fator a nos conduzir para a atual realidade foi a velha história de esperar alguém fazer alguma coisa. Acreditar que um dia alguém poderoso, um messias, um salvador da pátria, daria um basta nisso. Mas isso não aconteceu, tampouco acontecerá.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 119 - Agosto/Setembro 2013

blog post image

Editorial

O DESCARTE!

Como as autoridades constituídas encaram este sinistro jogo de cartas.

Em tempos nos quais o Governo Federal - em vista das manifestações públicas que ocorreram (e ainda ocorrem) em todo território nacional - sugere a instalação de um Referendo para aprovação ou não de uma reforma política (ou Plebiscito, pelo qual mais pugnam por razões incompreensíveis à maior parte dos mortais), perguntamos a nós mesmos sobre a serventia de tal ato que, a nossos olhos, nada mais é do que uma grande tentativa de colocar entre nós e o astro-rei uma enorme peneira já que, “lá em cima”, sabe-se MUITO BEM onde estão os erros; e O QUE a população deseja para nosso sofrido País!

Devido ao exposto, sempre é bom lembrar que no ano de 2005 foi realizado um Referendo - e o assunto a consultar junto ao Povo era referente à possível continuidade da venda legal de Armas de Fogo e Munição no Brasil. E, para quem não se lembra do resultado, os votantes pelo SIM (56.951.853!) perfizeram um total de 64%! Comparativamente, na eleição de 2002, Lula recebeu, em cifra redonda, 53.000.000 votos, ou seja, 61% - numero menor do que o alcançado no malfadado Referendo!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 118 - Ano 19 - Abril / Maio 2013

blog post image

Editorial

Cultura, tradição e fortalecimento de nossos direitos

Aproveitarei minha visita ao SHOT Show (veja matéria alusiva nesta edição) para tecer algumas considerações sobre Armas de Fogo e outros itens presentes à famosa Mostra:

A edição de 2013 teve lugar no Sands Expo and Convention Center, adjunto aos Palazzo e Venetian Hotel & Casino, em Las Vegas, Nevada – EUA. E é pelo local que começarei: Las Vegas é a cidade que verdadeiramente vive 24 horas por dia. Um mundo à parte, com infraestrutura invejável e um conceito de grandiosidade que leva às várias camisetas à venda como souvenires nas lojas e aeroportos trazerem a frase “The Fabulous Las Vegas”. E é exatamente isso, uma localidade fabulosa, onde pessoas de todas as nacionalidades e interesses se cruzam nas ruas e nos amplos corredores de seus hotéis com uma infinidade de máquinas caça-níqueis, espalhadas pelos seus vários casinos. Enfim, Las Vegas é, em minha opinião, uma grande metrópole que agrada até aqueles que detestam cidades grandes - principalmente os que vêm do interior e foram criados em sítios ou fazendas.

E não poderia haver melhor lugar para hospedar uma Mostra tão grandiosa de armas e acessórios destinados às atividades de Tiro Esportivo, Segurança e Caça, além das demais atividades ao Ar livre.

O impressionante número de visitantes que circula pelo SHOT Show é algo singular, com a multidão se confundindo pelos corredores dos Hotéis adjuntos Venetian e Palazzo e pelo interior de seus casinos para adentrar e sair do Sands Expo, com seus aproximados 209.000 m², e da também fabulosa Mostra de produtos voltados aos públicos civil e militar, contando com 7000 (sete mil!) expositores de armas, munições, coletes, acessórios dos mais variados e vestimentas, incluindo Cutelaria, Arquerismo e veículos off road.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 117 - Ano 19 - Janeiro / Fevereiro 2013

blog post image

Editorial

Quentin Tarantino & Machado de Assis – ou resgate & respeito

No dia dezoito, uma sexta feira deste janeiro, estreou em cinemas daqui Django Livre (Unchained Django - EUA, 2012). Filme de Velho Oeste, assinado por Quentin Tarantino, diretor, produtor, roteirista e ator de cinema, cujas narrativas extravagantes e nãolineares são dele marcas registradas.

Embora carregue algumas falhas cronológicas, relacionando as armas ao período supostamente retratado, honestamente aplacadas pela liberdade poética, o filme traz algumas coisas de muita, muita importância pra todos nós. A atuação de Christoph Waltz, com certeza, é uma delas.
Mas, a bendizer por aqui, esse filme nos traz resgate. Tarantino, aliás, é mestre em resgate. Busca, por exemplo, ator que anda sumido. Resgatou John Travolta, em Tempo de Violência (Pulp Fiction – EUA, 1994). Também David Carradine, em Kill Bill (EUA, 2003). Em Django Livre, o diretor resgata Franco Nero que - é minha triste opinião - não vem se mantendo exatamente popular nos últimos anos. Enfim, resgata figuras que vinham injustamente curtindo, admitido ou negado, certo ostracismo. Para além de um dos atores, em Django

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 116 - Ano 19 - Agosto/Setembro 2012

blog post image

Editorial

Mudanças Revista MAGNUM

ESTE EDITORIAL COMEÇOU a ser escrito justamente no dia em que alguns noticiários davam conta de que o Brasil havia enviado às Olimpíadas a pífia quantidade de DOIS Atletas do Tiro Esportivo (para nós, dois dignos heróis nacionais), fazendo com que a primeira medalha de ouro ganha por nosso país* – justamente em uma competição de Tiro – seja cada vez mais esquecida por aqueles que – incrivelmente - costumam classificar tal Desporto como “dispensável” e outros comentários que procuramos ignorar. Assim, queremos ver como serão os próximos Jogos Olímpicos no que se refere a Atiradores brasileiros. Continuará a haver o descaso e a falta de apoio das autoridades competentes quanto ao assunto – principalmente quando as Provas ocorrerão em território nacional?

Motivações desportivas à parte; e saindo da digressão inicial, estamos aqui para discorrer sobre diversas e notáveis mudanças – e notem que não estamos em um início de ano, quando é quase de praxe anunciálas em qualquer veículo como parte de previsões ou mesmo utilizá-las como simples estratégia de marketing, já que muitos costumam voltar seus focos para um período que se inicia.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 115 - Ano 19 - Junho/Julho 2012

blog post image

Editorial

É com extraordinária satisfação que volto a escrever no editorial da Revista MAGNUM.
Inicio nossa conversa convidando o Leitor a refletir sobre o momento especial pelo qual nosso país está passando.
O Brasil é hoje a 6ª economia do mundo, recordista mundial no índice de ''felicidade futura'' segundo pesquisa realizada em 140 países pela Fundação Getúlio Vargas (FGV); e mais da metade da população faz parte da Classe C. De 2003 até ano passado, 49 milhões de pessoas entraram nas classes A, B e C, sendo que a desigualdade de renda, embora seja uma realidade em nosso país, vem caindo desde 2001, ao contrário do que ocorre em os outros países ''emergentes''.

Outro fato notável é o turismo brasileiro. Segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT), as despesas dos brasileiros no exterior totalizam mais de US$ 16 bilhões em 2011, correspondendo a um aumento de 44% em relação ao ano anterior, a maior alta entre os países monitorados pela OMT.

Para se ter uma ideia do que isso representa, os gastos de turistas chineses cresceram 30,2% e, dos russos, 21%. Com estes números, não nos causa surpresa que a administração do Museu do Louvre em Paris esteja estudando traduzir para o português seus mapas e materiais multimídia.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 114 - Ano 19 - Fevereiro/Março 2012

blog post image

Editorial

2012, O PRIMEIRO ANO DE UM ÓTIMO FUTURO!

O primeiro editorial de um ano tende a ser quase sempre imutável, já que a orientação temática costuma ficar entre o que se fez - ou ocorreu - no ano anterior e o que se prevê - ou se propõe para aquele que se inicia.

Apesar de sermos uma publicação altamente segmentada aquela que um dia, há mais de vinte anos, se dispôs a mudar os conceitos no que se refere a Armamento, Munição e Assuntos afins - encaramos, inicialmente, o mercado em época interessante, quando os mandatários deste País ainda tinham algum tipo de discernimento lógico quanto a nosso Segmento; e de lá para cá enfrentamos certas agruras – desde censura de nossas capas em bancas de jornais e revistarias de um Estado, como se fôssemos uma revista dedicada à pornografia, até a quase impossibilidade de sermos ouvidos por outros órgãos de Imprensa já que, para muitos, os assuntos que tratava mos eram considera dos um verdadeiro tabu.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 113 - Ano 18 - Outubro/Novembro 2011

blog post image

Editorial

UMA PERGUNTA PARA O BRASIL: O QUE É MELHOR, PROIBIR OU EDUCAR?

Nosso assunto se relaciona às Armas de Fogo e às inúmeras investidas para proibi-las, mas proibição e educação se estendem a mui tos outros assuntos que interferem na vida dos cidadãos.

Há alguns anos, adotei o mote ‘PROIBIR É SE MOSTRAR INCAPAZ DE EDUCAR’. Isso porque eu realmente acredito que a proibição sem estudo e indiscriminada é o resultado da desconfiança de uma classe sobre a outra, considerada inapta e que se torna objeto de controle pela falta de acesso à informação imparcial e à educação. Contudo, parece que boa par te das autor idades brasileiras e dos governantes tem predileção pelo verbo proibir. Ao contrário, a educação é deixada de lado e ao acaso.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line
Anterior
Anterior